Sincopol vai apresentar reivindicações para futuro secretário de Segurança Pública

380
Sincopol (Sindicato dos Policiais Civis do Estado de São Paulo) vai apresentar ao general da reserva João Camilo Pires de Campos, anunciado nesta terça-feira (13) pelo governador eleito João Dória (PSDB) como futuro secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, uma carta com 10 reinvindicações principais das categorias que respondem pelo dia-a-dia das delegacias e investigações policiais.
O documento já foi enviado aos então candidatos a governador durante a campanha para segundo turno das eleições de outubro deste ano e será apresentado agora a quem chefiará as Polícias Civil e Militar a partir de janeiro de 2019. Campos passou para a reserva após de 48 anos no Exército e chegou a chefia o Comando Militar do Sudeste.
João Dória também prometeu em entrevistas nesta semana que “teremos um secretário executivo da Polícia Militar e uma secretaria executiva com um policial civil”. Nos próximos dias a entidade sindical enviará as demandas dos agentes policiais, investigadores, escrivães, papiloscopistas, carcereiros e todas as demais carreiras da Polícia Judiciária.
REIVINDICAÇÕES
Os concursos que vêm sendo anunciados não dão conta de preencher as quase 13 mil vagas que estão ociosas, de acordo com as estimativas sindicais. O Sincopolreivindica a redução de 50% da falta de policiais em dois anos e 100% até o término do mandato.
EM março projeto de lei do então governador Geraldo Alckmin (PSDB) reajustou em 4% o salário dos policiais civis e da Polícia Científica. No entanto a inflação acumulada desde o reajuste anterior já é de cerca de 30%.
Sincopol reivindica um plano de reajustes anual nos próximos quatro anos que garantam a recomposição salarial integral do período em defasagem e que possibilite ganhos reais no primeiro ano da gestão seguinte.
O sindicato também reivindica apoio e reapresentação pelo futuro governador do projetos de lei número 37 e 44 e do projeto de lei complementar número 22, todos de 2018.
As proposituras fortalecem o sindicalismo e a defesa do interesse dos funcionários públicos no interior do Estado, cria nova gratificação de mais 100% do salário base, além daquela que já existe pelo chamado regime especial de trabalho para policiais civis e cria programa destinado à prestação de serviços por tempo determinado aos policiais civis aposentados.
Sincopol reivindica investimento em viaturas e equipamentos, como armamentos de qualidade. São inúmeros os relatos de falhas em armas, o que coloca em risco a vida dos policiais civis. Falta de materiais básicos em delegacias se tornaram uma regra, assim como o sucateamento da maior parte das viaturas. Quando são feitas, as raras reposições são insuficientes.
A entidade sindicato também quer a a adoção do sistema de carreira única na Polícia Civil em uma ampla reestruturação da corporação. A ideia é que o policial possa avançar em carreira única até alcançar o cargo de delegado de polícia, agregando a cada etapa a experiência necessária para o comando adequado dos trabalhos investigativos que é a finalidade precípua da Polícia Civil.
Os policiais civis também querem mais recursos orçamentários para o IAMSPE (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo) e a criação de hospitais regionais de atendimento aos servidores, sobretudo os policiais civis, no interior do Estado com adequado acompanhamento psicológico atendimento de diversas especialidades médicas. A fatal de pessoal e o excesso de trabalho tem graves consequências para a saúde dos policiais.
Por último, o sindicato reivindica uma reunião presencial no Palácio dos Bandeirantes ainda no primeiro trimestre de 2019 com presença do governador eleito, de seu Secretário de Segurança Pública e do Delegado Geral da Polícia Civil para discussão destas reinvindicações da categoria, a melhor forma de implementá-las e o aperfeiçoamento da qualidade da Segurança Pública.