Sincopol organiza abaixo assinado por reenquadramento salarial na Polícia Civil

191
O presidente do Sincopol, Celso José Pereira, em contato com Marlene Campos Machado (Foto: Assessoria Sincopol)

O Sincopol (Sindicato Regional dos Policiais Civis do Centroeste Paulista) prepara um abaixo assinado exigindo o reenquadramento salarial de escrivães e investigadores de todo o Estado de São Paulo no nível superior, escolaridade requisitada na legislação para ingresso nos cargos. Atualmente os valores pagos são incompatíveis com a exigência.

O documento será entregue ao deputado Campos Machado (PTB) para que seja intermediada reunião com o governador Márcio França (PSB) sobre o tema. Também está sendo reivindicado o reenquadramento salarial para nível médio de agentes policiais, carcereiros, atendente de necrotério e auxiliar de papiloscopista. As leis complementares estaduais que embasam a demanda do sindicato são a 1067/2008 e a 858/1999.

Policiais civis das 50 cidades que fazem parte das Delegacias Seccionais de Marília, Ourinhos, Tupã e Assis, abrangidas pelo Sincopol, devem entrar em contato pelo email sincopol@gmail.com para solicitar a adesão ao documento. Apoiadores da segurança pública e solidários ao trabalho sacrificante dos policiais civis também podem subscrever a reivindicação.

O presidente do Sincopol esteve em contato com Marlene Campos Machado, esposa do deputado Campos Machado, durante reunião no fim de junho em Marília, onde ela recebeu lideranças políticas da região. Na ocasião, Celso apresentou a ideia que pretende tornar compatível os vencimentos dos policiais civis com a exigência para ingresso nos cargos envolvidos.

Marlene se mostrou solicita à causa e afirmou que juntamente com o deputado Campos Machado marcará reunião como o Sincopol para discutir o assunto. “Nosso objetivo é chegar até o governador e mostrar a organização e a força de nossa classe, que apesar do abandono dos últimos governos, é fundamental para a sociedade”, afirma o sindicalista.

Para Celso, o momento é oportuno para se posicionar sobre as reivindicações dos membros responsáveis pelo operacional da Polícia Civil. Ele lembra que o tema Segurança Pública estará no centro dos debates políticos devido ao pleito de outubro, onde serão eleitos deputados estaduais e federais, governadores, presidente e senadores.