Sincopol denuncia propaganda eleitoreira do governo estadual

198

O Sincopol (Sindicato Regional dos Policiais Civis do Centroeste Paulista) classifica a recém-lançada campanha publicitária sobre segurança pública do governo do Estado de São Paulo como eleitoreira. A peça em divulgação deturpa a realidade e ignora a situação cada vez mais degradante enfrentada pelos policiais civis.

A propaganda tem um minuto de duração e está sendo transmitida em todas as redes de TV do Estado de São Paulo. De acordo com o governo, a peça será exibida até o dia 13 de março e foi feita pela Lua Branca, uma das três agências de publicidade licitadas pelo Estado. A propaganda custou R$ 400 mil, segundo informações oficiais.

A área de abrangência do Sincopol é a de aproximadamente 50 município que fazem parte das Delegacia Seccionais do de Ourinhos, Tupã Assis e Marília. O presidente da entidade sindical, Celso José Pereira, chama a atenção de que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) está prestes a deixar o cargo para concorrer a presidente e a pauta da segurança está no centro do debate eleitoral.

“A verdade é que os policiais civis foram abandonados pelo governo, que sucateou a Polícia Civil e deixou durante quatro anos a categoria sem reajuste salarial. O governador afirma que os números de homicídios caíram e quer os louros, mas os resultados só existem às custas dos policiais, cada vez mais precarizados, mas sempre mantendo seu profissionalismo apesar dos desafios cotidianos”, afirma Celso.

Na propaganda, o governo afirma que o sistema de segurança do Estado conta com 32 aeronaves. No entanto, a área de abrangência do Sincopol não possui com nenhum dispositivo sequer. “As viaturas, os carros mesmo, são velhos e faltam materiais básicos nas delegacias, ao contrário do que o governador quer demonstrar de forma oportunista depois da intervenção do governo Federal no Rio de Janeiro”.

Outra falácia da propagando do Estado é a citação genérica sobre contratação de policiais, quando na verdade o déficit somente na Polícia Civil é de aproximadamente 12 mil pessoas. “O PSDB está há 20 anos no governo. A situação chegou a esse ponto porque eles deixaram. O governador prometeu acelerar nomeações e novo concurso no ano passado, mas a mudança foi irrelevante. Nossa região recebeu um delegado e nenhum policial para o operacional, o que mais faz falta”, finaliza o presidente do Sincopol.