Sincopol apoia manifesto contra veto presidencial a reajuste para Saúde e Segurança Pública

70

O Sincopol (Sindicato Regional dos Policiais Civis do Centroeste Paulista) apoia o manifesto assinado por 13 entidades representativas das forças policiais de todo o Brasil com alerta sobre o grave risco de “instabilidade institucional”, caso o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vete o dispositivo aprovado no projeto de lei complementar 39/2020.

O dispositivo, aprovado pelo Congresso Nacional, exclui as categorias de servidores públicos da segurança pública, da saúde, da assistência social, entre outras envolvidas diretamente no combate à Covid-19, do congelamento salarial previsto para final de 2021.

A Cobrapol (Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis), entidade que conta com a participação do Sincopol, subscreve o “Manifesto à Nação Brasileira”.

O documento alerta a situação de risco, caso o presidente desfaça “a decisão democrática do Congresso Nacional e todos os argumentos trazidos por diferentes segmentos acerca da importância de se preservar os profissionais de segurança pública, os quais se encontram diuturnamente expostos a riscos de toda ordem no cumprimento de suas missões constitucionais e legais”.

O texto lembra que esses profissionais estão “inclusive expondo-se a contágio e à morte por complicações decorrentes da SARS-COV-2, como aliás já está ocorrendo com centenas deles”.

“A excepcionalidade estabelecida às carreiras da segurança pública e outras como da saúde decorreu de uma avaliação de justiça firmada por parlamentares em relação à essencialidade dos profissionais no cenário extremamente adverso ao país, envolto em crise econômica e social crescentes”, consta no manifesto.

Celso José Pereira, presidente do Sincopol, observa que o alerta sobre risco de instabilidade institucional repercutiu na grande imprensa, em veículos como o Correio Braziliense, o principal da Capital Federal, e no blog O Antagonista.

“Não se trata de privilégio nenhum. É uma questão de Justiça aprovada pelo democraticamente pelo Congresso, que deve derrubar um eventual veto presidencial”, afirma o sindicalista que representa os policiais civis de mais 50 cidades que compõe as Delegacias Seccionais de Assis, Marília, Ourinhos e Tupã.

Entidades que subscrevem o “Manifesto à Nação Brasileira”:

·         Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis – COBRAPOL

·         Associação dos Delegados de Polícia do Brasil – ADEPOL DO BRASIL

·         Federação Nacional dos Militares Estaduais – FENEME

·         Federação Nacional dos Peritos Oficiais em Identificação – FENAPPI

·         Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal – FENADEPOL

·         Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal – ADPF Federação

·         Nacional dos Policiais Federais – FENAPEF

·         Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais – FENAPRF

·         Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais – APCF

·         Federação Nacional de Sindicatos de Guardas Municipais do Brasil FENAGUARDAS

·         Federação Nacional dos Trabalhadores do Sistema Socioeducativo – FENASSE

·         Federação Nacional Sindical dos Servidores Penitenciários – FENASPEN

·         Associação Brasileira de Criminalística – ABC