Sincopol apoia carta aberta sobre democracia na escolha de delegado-geral

181

O Sincopol (Sindicato dos Policiais Civis do Centroeste Paulista) apoia a carta aberta da IPA (International Police Association) endereçada a duas principais entidades que representam os delegados da Polícia Civil do Estado de São Paulo. O Documento reivindica a participação de todos os integrantes da corporação na votação da lista tríplice que tradicionalmente indica o ocupante do cargo de delegado chefe.

[CLIQUE AQUI PARA LER A ÍNTEGRA DA CARTA]

A carta é assinada por Jarim Lopes Roseira, presidente da Seção Regional da IPA em São Paulo e conta com o aval do presidente do Sincopol, Celso José Pereira, representante dos policiais civis das cerca de 50 cidades das Delegacias Seccionais de Ourinhos, Tupã, Marília e Assis. A mesma reivindicação consta nas 10 propostas do Sincopol enviadas na última semana para os candidatos ao Governo do Estado.

No dia primeiro de outubro de 2018 o Sindicato dos Delegados de Polícia e a Associação dos Delegados de Polícia realizaram processo eleitoral para escolha da lista tríplice – que não está fundamentada na legislação, mas se trata de uma tradição muito bem-vinda. A prerrogativa de nomeação é do chefe do Executivo, que não precisa escolher necessariamente entre os nomes indicado pela corporação.

“O princípio democrático intrínseco da louvável medida, poderia ser muito mais exaltado, não fosse o pecado venial da exclusão de mais de 80% do universo que compõe o efetivo da Instituição Policial Civil, (…) potenciais eleitores, aptos a votarem”, diz a carta. Não existem na Constituição Federal, Constituição Estadual e na própria Lei Orgânica da Polícia dispositivos que autorizem privilégios a uma carreira em detrimento das demais.

“A universalidade do voto, seja qual for o propósito, deve ser respeitada, de modo a lhe conferir legitimidade. E isso não foi feito”, consta no documento. “Pondero a Vossas Excelências que revejam suas posições e promovam um novo certame, contemplando com o direito de voto todo o universo de policiais civis do serviço ativo. Se assim o fizerem, tenham a certeza, todos sairão fortalecidos, principalmente pela demonstração do reconhecimento ao valor pessoal e orgulho profissional dos até aqui excluídos”.