Sincopol apoia atos de policiais contra sucateamento das Forças de Segurança

87

O Sincopol (Sindicato Regional dos Policiais Civis do Centroeste Paulista) apoia as manifestações que estão sendo convocadas pela União dos Policiais do Brasil (UPB) contra o sucateamento da categoria após a aprovação da chamada PEC Emergencial no Congresso Nacional.

A UPB é composta por 25 sindicatos, associações, confederações e federações representativas de forças de segurança, como Policiais Civis, Federais, Rodoviários, Delegados, Escrivães, Penais e Guardas Municipais.

Entre as entidades que fazem parte da UPB está a Cobrapol (Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis), que é composta pelo Sincopol.

Nesta quinta-feira (17) a UPB realizou uma carreata pela esplanada dos ministérios em apoio e defesa da Segurança Pública, com saída do estacionamento do Estádio Nacional (Mané Garrincha). O ato foi amplamente divulgado pela grande mídia.

Também está sendo realizada a mobilização dos servidores da segurança pública civil na segunda feira (22/3), das 15 às 16 horas, em frente a cada uma das unidades de trabalho.

PEC

O texto aprovado pelo Congresso Nacional mantém vedações que poderão congelar vencimentos e a criação de novas vagas por até 15 anos, levando ao sucateamento do serviço público e das polícias brasileiras.

Por outro lado, articulação da UPB conseguiu evitar alteração de jornada de trabalho com redução de 25% do salário; vedação de direitos por dois exercícios financeiros após período de calamidade; e ausência da necessidade de aprovação de legislação nas Assembleias Legislativas dos Estados.

“A fim de deixar claro o descontentamento pelo tratamento injusto com o qual os profissionais de segurança pública civil, que mantiveram suas atividades durante toda a pandemia, vêm sendo tratados pelo governo federal, a UPB manterá sua mobilização, sobretudo ante ao novo desmonte que se avizinha qual seja: a reforma administrativa (PEC 32/20)”, afirma a UPB.

Para o presidente do Sincopol, Celso José Pereira, trata-se de mais um duro golpe na Polícia Civil em todo o país. “É preciso mobilizar nossa categoria contra mais essa barbaridade que se abate sobre os Policiais Civis, que já vêm de um longo processo de sucateamento e precarização”, afirma o sindicalista.