ESTADO SE RECUSA A INFORMAR DETALHES SOBRE REAJUSTE SALARIAL NA POLÍCIA CIVIL, DENUNCIA SINCOPOL

218

Mais de um mês após informar que realizava tratativas para reajustar o salário da Polícia Civil, a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo agora se recusa a dar mais informações sobre o tema. O departamento de comunicação do Sincopol (Sindicato Regional dos Policiais Civis do Centroeste Paulista) vem cobrando um posicionamento da assessoria de imprensa da pasta.

No final de agosto a informação sobre as tratativas foi confirmada após questionamento da entidade sindical. “A atual gestão reafirma seu compromisso de reajustar os salários dos policiais paulistas e está em tratativas para isso. Neste ano, foram pagos mais de R$ 304,7 milhões a 210.944 policiais no programa de bônus”, diz a nota oficial enviada na época.

O Sincopol procurou o Governo do Estado de São Paulo após surgirem rumores dentro do próprio aparato estatal sobre um possível anúncio de melhorias para a categoria a ser feito em outubro. As novidades envolveriam um substancial aumento no salário para ativos e inativos, além de reforço em diárias especiais e gratificações.

A equipe do sindicato procurou novamente a pasta nos últimos dias, para atualização sobre o caso. No entanto, a resposta foi de que a situação ainda permanece a mesma desde o último contato. Não foram fornecidos detalhes sobre eventuais avanços em relação ao tema.

Celso José Pereira é presidente do Sincopol e representante dos policiais civis de quase 50 municípios englobados pelas Delegacias Seccionais de Marília, Ourinhos, Assis e Tupã. Ele afirma que a entidade sindical vem lutando por melhores condições para a categoria em várias frentes.

“Temos ações na Justiça, fazemos contatos com deputados e forças políticas, pressionamos o Governo do Estado. O governador João Doria (PSDB) prometeu melhorias para a Polícia Civil e até agora não vimos nada”, reclama o sindicalista.

Defasagem

Em março do ano passado a Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) aprovou a proposta do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e reajustou em 4% o salário dos policiais civis.

No entanto a inflação acumulada até aquele momento, desde 2014 – quando houve o reajuste anterior – era de quase 25%, de acordo com dados oficiais do Banco Central do Brasil. A reposição foi de apenas um quinto da perda inflacionária naqueles quatro anos. Sem falar da defasagem anterior.

Desde que foi dado o último reajuste até o mês passado, a inflação acumulada já é de 5,6%. Somado ao que não foi reposto, a defasagem salarial nos últimos cinco anos já está novamente acima de 25%.