Dep. Campos Machado apresenta projeto de valorização do policial civil após abaixo-assinado do Sincopol

358
Reunião do presidente do Sincopol Celso (direita), deputado estadual Campos Machado (centro) e diretor do Sincopol Valdecir (esquerda)

O Sincopol (Sindicato dos Policiais Civis do Centroeste Paulista) conseguiu apoio do deputado Campos Machado para o projeto de lei complementar número 37 de 2018, que prevê uma gratificação extra de 100% do valor base das categorias de escrivão e investigador e demais cargos policiais.

O presidente do Sincopol Celso José Pereira e o Diretor Valdecir Reginatto estiveram em reunião na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) no começo do mês, quando um abaixo-assinado subscrito por quase mil filiados da entidade foi protocolado no gabinete do parlamentar com pedido de melhorias salariais para os cargos de exigência de ensino médio e superior.

Nos últimos dias a confirmação do apoio chegou por meio de correspondência oficial (leia a carta completa em fotocópia abaixo deste texto). “Recebo, com muito orgulho, o abaixo-assinado elaborado pelo Sincopol, para os investigadores e escrivães, visando a valorização pelo nível superior LC 1067/2008 e Agentes Policiais e demais carreiras pelo reconhecimento do nível médio LC 858/1999”, escreveu Campos Machado.

O deputado disse ainda que “são reinvindicações que entende como justas” e as tratará “diretamente com o Sr. Governador”. Ele também afirma que no mesmo sentido, “na escalada de valorização perpetrada pelo Sincopol, nos últimos dias, aliás, apresentei o projeto de lei complementar 37/2018 que preenche todas as condições necessárias para que a família da polícia civil possa ser agraciada com o respeito que ela merece”.

“Meu especial orgulho por estar ao lado do Sincopol, ali representado pelo seu presidente Celso e pelo Valdecir, bem como todos os outros integrantes da categoria. Conte sempre comigo”, concluiu o parlamentar.

Sincopol

A demanda precisará ser encampada pelo governo estadual, por isso é importante mobilizar todo apoio possível na Casa de Leis. O sindicato havia solicitado que escrivães e investigadores passassem a ter remuneração compatível com os níveis médio e superior exigidos para seus cargos, mas aceitou uma proposta com mais chances de prosperar na base do governo.

A ideia é instituir uma nova gratificação de mais 100% do salário base, além daquela que já existe pelo chamado regime especial de trabalho. A nova gratificação, que consta no projeto de lei complementar 37 de 2018, já tramita pela Alesp, e seria pelo exercício de atividade perigosa e de alta complexidade que exige graduação de nível superior e médio. O benefício, pretende-se que seja também incorporado em caso de pensão ou aposentadoria.

O presidente do Sincopol, que representa policiais civis de 50 municípios abrangidos pelas Delegacias Seccionais de Polícia de Ourinhos, Assis, Marília e Tupã, afirma que, caso aprovada, a proposta representa um grande avanço para a valorização dos policiais civis. “Precisamos nos organizar para conquistar mais esse degrau em busca de melhores condições de trabalho”, afirma o sindicalista.