Aumento do teto só beneficia minoria, diz Sincopol

195

O Sincopol (Sindicato Regional dos Policiais Civis do Centroeste Paulista) é contra o aumento do teto salarial aprovado pela Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) que deve custar quase R$ 1 bilhão em quatro anos e só beneficiará uma pequena parte do funcionalismo do Estado.

A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) foi votada na terça-feira (5). A PEC recebeu 67 votos favoráveis e 4 contrários. Na análise do presidente da entidade sindical que representa os policiais civis de mais de 50 municípios englobados pelas Delegacias Seccionais de Ourinhos, Assis, Tupã e Marília, Celso José Pereira, o aumento da possibilidade de ganho afetará só o topo da folha de pagamento, mas afetará a todos os servidores.

“O aumento de gastos que só beneficiará alguns poucos terá impacto na hora do aumento de todos. Em quatro anos o impacto da folha de pagamento vai inchar em R$ 909 milhões. Não é pouca coisa. Queremos conquistas que beneficiem a todo o funcionalismo e não só o alto escalão do Estado”, reclama o sindicalista.

Celso lembra que os policiais civis ficaram quatro anos sem reajuste, até o começo de 2018. Mesmo com as “quirelas” dadas pelo ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) com aval dos deputados estaduais, o reajuste dado ainda deixou um déficit inflacionário de 20% que não foi reposto e corroeu o poder de compra dos membros da corporação.

O Governo do Estado, agora capitaneado pelo atual governador do Márcio França (PSB), que é pré-candidato a continuar no Palácio dos Bandeirantes, disse considerar o aumento injusto “porque um aumento nessa proporção: de R$ 21.631,05 para R$ 30.471,11, privilegia servidores muito bem pagos e que já recebem o teto do funcionalismo público”.

Pela proposta, a referência de limite salarial para o funcionalismo público no estado, hoje baseado no vencimento do governador, passa a ser equivalente ao fixado a desembargadores de Justiça. Com isso, o teto deixa a faixa dos atuais R$ 21 mil e atinge R$ 30 mil até 2022. Já havia acontecido a primeira votação do tema em abril.